02 dezembro 2008

A igreja quebra galho da videira

Olá pessoal, Me perdoem por demorar tanto para postar.
Graças a Deus estou trabalhando muito e estou pra lá de feliz com isso!
Também tenho lutado todos os dias pra transformar em vida aquilo que em mim é teórico.
Bom, até lá, vou colocando textos que leio e falam comigo.
Por favor, não me entendam como um provocador... eu apenas estou nesse caminho de descobrir Cristo e tentar vivê-lo.
Infelizmente, vamos tateando e buscando, sem saber bem ao certo o que econtraremos... apenas guiados por aquela certeza de se estar no rumo certo. bom, tá aí um texto muito interessante:

Jesus disse que Ele está para nós assim como a Videira está para os ramos.

Sem videira todo ramo é pedaço de pau e somente isto.

Sim! É madeira morta, boa para ser queimada.

Os cristãos, no entanto, foram enganados e deixaram-se enganar, pois, desde que se determinou que "fora da igreja não há salvação", que a Videira passou a ser a "igreja", e, também, desde então, o Agricultor, que, segundo Jesus é o Pai, entre os cristãos é o Pastor, ou, em alguns grupos, o Corpo de Doutrina pelo qual se faz a "poda" de membros.

Assim, para o crente, "permanecer em Jesus", [João 15], é permanecer firme na "igreja", freqüentando, participando e se submetendo a tudo.

Do mesmo modo, "dar fruto", segundo os crentes e suas emoções condicionadas por anos de engano religioso, é evangelismo como programa, é acampamento como devoção, é célula de crescimento, é cantar no grupo de louvor, é ir à reunião de oração, e, sobretudo, é dar o dízimo em dia.

E o mandamento de amar uns aos outros é algo que os crentes entendem como amar os que são iguais a eles enquanto os tais não ficarem diferentes. Nesse dia eles viram desviados.

Ainda no mesmo andar de engano, os crentes pensam que "ser lançado fora" da Videira é ser disciplinado pelo Agricultor Pastoral ou pelo Conselho de Agricultura que aplica o Corpo de Doutrinas disciplinadoras e excludentes, aos quais supostamente não se equivocam ao separar o joio do trigo no campo do mundo-igreja.

Ser “amigo de Jesus” [João 15], para os crentes é estar em dia com a doutrina, o dizimo e a freqüência.

Assim, para a maioria dos crentes, emocionalmente, é assim que João 15 é sentido e praticado.

Ora, o resultado é o desastre cristão desses quase dois mil anos!

De fato, a religião cristã é um estelionato espiritual, pois, chama para si, como se fora Deus, aquilo que é de Deus e somente passível de realização Nele.

O que Jesus dizia era tão simples.

O que Ele dizia é apenas isto:

Absorvam a minha Palavra; o meu ensino; e o pratiquem com amor por mim e por todo ser humano. Se vocês sempre crerem que a Vida de vocês está em mim e vem da obediência ao mandamento do amor, então, vocês serão meus amigos; e, assim, toda a verdade de minha Palavra será fato e bem na vida de vocês. Mas, sem mim, sem vida em meu amor, sem absorção do Evangelho no coração, por mais que vocês tentem viver e buscar o bem, de fato vocês serão apenas como galhos soltos, secos e mortos; existindo sob o engano de que existe vida em vocês, quando, de fato, pela própria presunção de vocês, estarão mortos sem o saberem.

O resto a História do Cristianismo nos conta!


Caio
24 de novembro de 2008
Lago Norte
Brasília DF

5 comentários:

malandragemrebuscada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
malandragemrebuscada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jonatas ladir disse...

MASSA DE MAIS ESTE TEXTO...
faz-se sim um separamento do corpo de cristo por irem ou nao a igreja, mas esse separamento se faz na mente das pessoas e nao no espiritual, pois nao se tem controle sobre ele...
sendo assim muitos cegos salvos na igreja, muitos salvos fora dela q sao cegos pois acreditam nisso, e claro os rilex q simplismente vivem FORA ou DENTRO e tb sao salvos!!!
E AMOR É UM DAS PALARAS CHAVES!!!
mas td é falta de identidade, mas é a vida e se repete em um ciclo constante...mas sempre há alguns diferentes...Q BOM!!!

Metal Warriors Fest disse...

Olá amigo, concordo com esse pensamento, mas creio que isso é chover no molhado, na verdade é um quase-chavão, que apesar de certo, sozinho, sem diagnóstico e sugestões realmente relevantes, não leva à nada, e ainda, pode perigosamente fazer apologia à 'desimportância' do corpo de Cristo para os novatos na fé.
Mas, no macro, parabéns pelo blog.
Abraços,
Allan.

samambaia disse...

De fato, já me senti excluído por ter me 'desviado'. O pior é que eu não 'me desviei' propriamente dito, apenas mudei de congregação. Estranho, né?

Concordo com Allan no que diz respeito àqueles novatos na fé que se converteram por causa da pressão psicológica feita por uma multidão através de uma música bonita, e pessoas apelando. Eu chamo isso de 'fogo de palha'.
De fato, eles tendem a defender e muito a igreja em que eles congregam e ficam tristes/bravos/decepcionados com aqueles que não vão mais à igreja deles.

Mas existem pessoas que têm uma conversão quieta, sem barulho, sem nada. Apenas a pessoa e o Espírito Santo. É nesta parte em que você questiona todas as suas verdades.
Pessoas que se convertem assim tendem a ser mais humildes do que as primeiras.

Eu já passei por estas duas, e ainda estou me convertendo...

Abraços,
DB