16 setembro 2009

Boff e Dalai Lama

Pra pensar. Achei no blog do Nazareth



Esse episódio o próprio Leonardo Boff explica:

"No intervalo de uma mesa-redonda sobre religião e paz entre os povos, na qual ambos (eu e o Dalai Lama) participávamos, eu, maliciosamente, mas também com interesse teológico, lhe perguntei em meu inglês capenga":

"Santidade, qual é a melhor religião?"
(Your holiness, what’s the best religion?)

Esperava que ele dissesse:

"É o budismo tibetano" ou "São as religiões orientais, muito mais antigas do que o cristianismo".

O Dalai Lama fez uma pequena pausa, deu um sorriso, me olhou bem nos olhos o que me desconcertou um pouco, porque eu sabia da malícia
contida na pergunta e afirmou:

"A melhor religião é a que mais te aproxima de Deus, do Infinito".
E continuou:

"É aquela que te faz melhor".

Para sair da perplexidade diante de tão sábia resposta, voltei a perguntar:

"O que me faz melhor?"

Respondeu ele:

"Aquilo que te faz mais compassivo, aquilo que te faz mais sensível, mais desapegado, mais amoroso, mais humanitário, mais responsável...Mais ético... A religião que conseguir fazer isso de ti é a melhor religião..."

"E aí senti a ressonância tibetana, budista, taoísta de sua resposta. Calei, maravilhado, e até os dias de hoje estou ruminando sua resposta sábia e irrefutável..." concluiu Leonardo Boff.

Diálogo simples, profundo, parafraseando o nosso bom filósofo Nietzsche, a algumas perguntas são filosóficas e a filosofia pode ser comparado com um ruminar onde lemos, relemos, e, depois em um gesto constante... ruminamos... ruminamos... ruminamos...

Um comentário:

Bruna Cabral disse...

Muuuito interessante!!
Eu fico imaginando que, se os nossos pais não nos influenciassem ao cristianismo, o número de budistas seria muito maior. O que seria muito bom no meio social, nas diferenças sociais. Mas acho que podemos ter essa preocupação social que os budistas têm, no meio evangélico, não é?
César, adorei seu blog.
Comentei em alguns textos antigos..
Beijão, fica com Deus