02 outubro 2009

ET. Telefone. Minha Casa


Definitivamente, me sinto um ET em meio a tantos pastores e líderes evangélicos. Claro que encontrei aqui gente que te desconcerta pelo amor que tem por Jesus, mas esses são a exceção.

Mas o mais interessante aqui é o reforço positivo para o "gueto evangélico". Como um congresso de gente que se reúne para dizer que são melhores que os outros.

Aqui se dão ao direito de dizer quem está no caminho de Deus e quem não está. Se prestam ao papel de julgadores e lançam sem nenhum remorso pessoas no inferno.

Mas o que me chama a atenção na aula que estou agora é o discurso que diz: Pregue o evangelho, porém, diga também que é difícil, que andar com Jesus não é brincadeira, que tem que tomar sua cruz. Ou seja, o convite de Jesus é para todos! Mas veja lá hein... não caia na besteira de achar que Jesus vai te dar vida e pronto...

Não me reconheço mais no meio do povo que se chama Povo de Deus. Os tênues laços são cada vez mais fracos.

Não vou fazer o mesmo e julgar. Estarei perdido se não andar segundo aquilo que me foi revelado e desafiado por Deus. Assim, julgo a mim e me acho pecador. Só isso.

Mas é triste... muito triste.

Um comentário:

Bruna Cabral disse...

Desde crianças ouvimos: "Menina, não faz isso que Deus castiga". Ou seja, crescemos com uma visão totalmente deformada de Deus. Crescemos vendo o nosso pai como alguém duro, que não dá amor, e sim regras e regras, e é bravo, fica lá em cima vendo só as coisas erradas que fazemos e nos condenando e castigando. Não só a igreja, mas toda a socieda deturpa a imagem que Jesus deixou na Terra. A imagem de amor, de carinho. De liberdade, e não libertinagem.. Crescemos assim, e a maioria das pessoas se acostumam com o que dizem a elas, e não vão atrás de mudança, de saber como Deus é mesmo. Isso não é nada bom.