14 agosto 2008

Mea Culpa

A todos que me lêem, faço aqui um pedido de desculpas em um texto onde me excedi. E é exatamente no excesso onde peco e aí está o Evangelho, em saber dominar-se a si mesmo.

Quando publiquei o texto Imbecilidades Apostólicas eu usei o seguinte parágrafo:

"Caramba, tudo isso me parece como uma espécie de delírio coletivo regado a imbecilidades e preconceito! Acho ridículo que ainda ajam como se Jesus não fosse Rei, como se a Jesus precisasse de marchinhas ridículas ou movimentos proféticos fétidos!"

As palavras imbecilidades, preconceito, delírio, ridículas, fétidos.... são todas palavras fruto de minha raiva no momento de escrever. Assim, por favor, me perdoem nestes excessos.

Continuo pensando exatamente igual, mas nada me serve de prerrogativa de ofender o Remai e em especial o André, líder do Remai. Afinal, também não concordo com o Edir, mas também não posso me lançar adjetivos deste tom.

Quem me lê pode achar que sou contra os proféticos, na verdade eu reconheço seu valor... e tanto o fiz em meu texto "Atos proféticos ou vida profética?". Quem interessar é só clicar aí no link.

Vou continuar escrevendo o que penso. Mas não preciso ofender ninguém.

Novamente, me perdoem!

5 comentários:

Thiago Rosa disse...

é... tá perdoado!
Mas eu ainda acho que você está certo... hehehe diga não às marchinhas que nao sejam de carnaval, e às modinhas que nao sejam do movimento emo, clubber e esses outros seres quase humanos... hahaha

Peter Cacique disse...

tá perdoado... bom, pelo menos por mim e pelo Thiago, rsrsr

Rafael disse...

tava te achando tao macho...
caiu no conceito
kkkkk

Thiago Mendanha disse...

aiaiaiai... Num tem outro jeito, né? Tem que ser cristão, pedir perdão, perdoar, reconsiderar e tal... kkkkkkk

Mas, convenhamos, os "palavrões" causam um efeito de impacto sem igual... kkkkkkk

Abraços, César!

Neto disse...

espero que os que tem que te perdoar perdoem e se vcs não querem perdoá-lo, contem comigo... sou advogado e posso representar vcs numa ação de indenzação por danos morais e ofensa grave á moral e reputação!

foi mal césar, amizade continua, mas negócios a parte!

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

abraz cara!