26 dezembro 2006

Filme: Amor sem fronteiras

Filme: Amor sem fronteiras

Taí um filme que indico de olho fechado. Confesso que locamos achando que era mais um dramalhão romântico, era pra agradar a Mônica e minha sogra... quando o filme começou, vimos que seria "um tapa na cara" como definiu minha cunhada Raquel.

Agora, se você for olhar para o filme como a relação entre Jolie e Owen, bom, aí o filme é ridículo. Sinceramente prefiro Jolie dando socos e pontapés a vê-la como embaixadora da ONU. Mas exceto a interpretação dela, o restante está muito bom.

Veja a sinopse: "Sarah Jordan (Angelina Jolie) é uma socialite casada com Henry Bauford (Linus Roache), filho de um influente empresário americano. Após conhecer Nick Callahan (Clive Owen), um médico que se dedica a causas humanitárias na África, Sarah se dispõe a ajudá-lo. Ela arrecada fundos para comprar medicamentos e comida para refugiados na Etiópia, aonde vai para entregá-los à equpe de Nick. Ver o sofrimento e a miséria do povo etíope de perto faz com que Sarah decida mudar de vida ao retornar a Londres, passando a trabalhar para uma ONG que ajuda causas humanitárias."

As cenas do começo do filme, onde ela chega com o carregamento de alimentos é muito forte. Nos coloca de frente à dura realidade da África. Nesse momento, eu sabia que o filme seria excelente como exposição das agruras desses lugares. Durante seu romance com Owen, Jolie visita a Etiópia, Camboja e Chechênia; todos são lugares assolados de alguma forma, ou fome, ou guerra ou terrorismo.

Ao assistir esse filme, esqueça a atuação de Jolie e lembre-se do seu papel como ser humano, como participante dessa aldeia global e dessa grande rede, onde todos os pontos se ligam, que chamamos de Terra. Sabe, não precisamos todos virarmos embaixadores da ONU, mas podemos dar um pouco do nosso tempo para ajudar o próximo.

Não acredito em Cristianismo que não passe pela ajuda ao próximo. Simplesmente porque não existiu um Jesus que tenha vivido fé por fé, mas sim, fé e ações.

Pode assistir. Vale a pena.

3 comentários:

Dani disse...

hum.......
eu assisti esse filme...
hehehhe
eu tb gostei...so acho que o
carinha(Henry Bauford) tinha que ser bonitim...heheheh

=P

bjux
=*

Karla Pêgo disse...

Acabei de assistir esse filme e achei muito emocionante, nunca chorei tanto vendo um filme como nesse. A cena final quando Sarah morre é muito triste a gente consegue imaginar o que se passava na cabeça dela ali no momento em que sabia que iria morrer. Sou aluna do curso de Serviço Social da UFVJM, sei que nessa profissão poderei fazer um pouco pelas pessoas, levarei para sempre esse filme na minha memória como exemplo de que o que fazemos pelos outros é sempre pouco perto do que podemos fazer, e tambem que o amor é tudo que há de mais importante na vida e devemos vive-lo sem fronteiras.

akncosta disse...

Acabei de assistir, passou a ser um dos filmes que indicarei daqui pra frente. Ótimo filme.